Pular para o conteúdo principal

Debate promovido pelo PCdoB teve grande participação da militância

Aconteceu ontem, 13 de abril, na Câmara Municipal o debate público "Resistência, Unidade e Esperança", promovido pelo PCdoB - Petrópolis. O evento foi conduzido pelo vice-presidente do partido na Cidade, Daniel Iliesco, e contou com a participação da deputada federal Jandira Feghali, da deputada estadual Enfermeira Rejane e do pré-candidato do PCdoB ao governo do RJ, Leonardo Giordano.
Deputada Federal Jandira Feghali
Compondo a mesa estavam representantes da UJS e de outros setores do partido, além do vereador Leandro Azevedo e do coordenador do Núcleo Comunitário do PT-Petrópolis, Marcos Borges Sagati. Na audiência, cerca de cem militantes do PCdoB e PT participaram ativamente do debate, em sua maioria mulheres.
Daniel Iliesco, vice-presidente do PCdoB-Petrópolis e organizador do debate.
Segundo informou Daniel Iliesco, que é pré-candidato à deputado federal, também foram convidados a participar o PCB, que justificou sua ausência por conta de reunião estadual realizada no Rio, e o PSOL, que preferiu não comparecer.
Com a bandeira petista, Marcos Borges Sagati, coordenador do Núcleo Comunitário PT-Petrópolis.
Depois de intenso debate sobre a questão nacional com a prisão de Lula e a entrega do país ao capital internacional, também foi abordado o recente escândalo de corrupção em Petrópolis que levou à prisão o ex-presidente da Câmara, vereador Paulo Igor, e o possível envolvimento de outros vereadores no esquema. Cabe registrar que o vereador Dudu, com a prisão decretada, está foragido.
Em sua intervenção no debate a deputada federal Jandira Feghali fez importante avaliação dos 13 anos dos governos petistas, onde apontou a falta de enfrentamento da questão da comunicação como um dos erros cometidos. No entanto, a deputada lembrou que o PT não governou sozinho e que o PCdoB e outros partidos aliados no campo da esquerda também têm sua cota de responsabilidade. Ao mesmo tempo, Jandira fez questão de afirmar que o golpe de estado em curso no país não se deu por conta dos erros, mas sim pelos acertos e avanços dos governos capitaneados por Lula e Dilma.
Ao final do evento, que se estendeu até as 22h00, a deputada exortou a militância à superar possíveis divergências com outros setores da esquerda para a construção de uma Frente Ampla de resistência e combate ao golpe.
A palavra de ordem "Lula Livre" tomou conta do debate.

(Fotos: Assessoria deputada Jandira Feghali)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A grande farsa de um estado policial contra uma população indefesa

Segue aqui importante artigo publicado no The Intercept sobre a farsa montada para criar manchete na imprensa corporativa, em mais um desmando do estado policial contra a população das periferias da cidade do Rio de Janeiro. Os cento e trinta e nove A polícia chegou na festa na madrugada de 7 de abril. Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, de onde as milícias partiram, em meados dos anos 1990, pra dominar a cidade. Abuso policial instaura o medo nas periferias do Rio. Mataram quatro pessoas ainda do lado de fora. Ao entrar, mandaram todas as mulheres embora, ordenaram que os homens deitassem no chão, de bruços e sem camisa. Poucas horas depois, imagens de ônibus cheios de jovens tranquilos e sem algemas já estavam nos jornais matinais de TV. Sem qualquer questionamento. À noite, foi destaque no Jornal Nacional: “Bandidos que fazem parte da principal milícia do Rio aproveitavam a noite em um sítio, em Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade.” 159 presos. 148 réus primários.

Arte de Brincantes

Pra cantar e dançar

Vacinando o mundo

COMO BOLSONARO ESTÁ ARRUINANDO OS PLANOS DE STEVE BANNON por Liana Cirne Lins (18/09/2019) Por caminhos tortuosos, Bolsonaro se transformou em garoto propaganda às avessas. Sim, Bolsonaro vai salvar o mundo. Mas naturalmente não pelo que ele tem de bom, se é que tem, mas pelo que tem de péssimo, bufão e ignominioso.  Bolsonaro é a caricatura, exagerada, patética e monstruosa, dos políticos caricatos da extrema-direita do mundo todo. Mas antes de tudo, Bolsonaro é um produto de Steve Bannon. Ele não é um fato isolado na geopolítica, mas uma peça num mosaico que vinha sendo cuidadosamente construído, através da metodologia que levou décadas para ser desenvolvida, tendo como laboratório eleições em países pobres, e que culminou com a aprovação do Brexit com a campanha "Leave.EU", a eleição de Trump, a campanha "Do So!" em Trinidad & Tobago e, enfim, a eleição de Bolsonaro.  Em síntese apertada, a metodologia consiste no armazenamento de dados pess