Pular para o conteúdo principal

A guerra é só contra a Síria?

De nosso correspondente na Pedra da Urca, mais uma análise internacional focada na questão da guerra contra a Síria. Vamos ao texto do camarada Ciro Moroni Barroso.

Incrível: os guardas revolucionários do Iran [Rev Guards] estão perto de uma confrontação com o exército de Israel [IDF] na fronteira com a Síria... segundo o site de inteligência ultra-sionista Debka!!
O Debka é um site de propaganda que se apresenta como de inteligência militar objetiva e sincera, às vezes mentindo bem, às vezes dando uma notícia verdadeira sobre fatos secretos à frente das outras fontes... sempre para dar a entender "vejam como o Iran e a Síria estão se armando contra Israel" e "o governo de Israel não responde à altura", como se eles fossem observadores afastados de Israel e seu governo:
Israeli government and security chiefs’ strange silence and passive acquiescence to Tehran’s steady buildup of its military assets in Syria during the past two years.
F-15s israelenses em formação de ataque.

Depois de um ataque gratuito de Israel matar oito oficiais do Iran [IRGC] no dia 9 de abril:
Iran’s Revolutionary Guards (IRGC) are on the point of a military operation to punish Israel for its April 9 air attack on the Syrian T-4 airbase, which left eight IRGC aerospace officers dead
Os caras cinicamente "desmentem" um vazamento [leak] para a mídia de que esta era a primeira vez que os mísseis de Israel matavam generais do Iran na Síria! Eles corrigem, dizendo que já haviam acertado mísseis em generais da guarda revolucionária em 18/jan/2015 e 26/jul/2016 = ou seja, até agora, os militares persas não deram nenhuma resposta militar à eliminação de seus generais! = imaginem se fosse ao contrário...!!!
A leak ... incorrectly defined the T-4 strike as Israel’s first live attack on Iranian commanders.
In fact, the Israeli air force struck a group of Iranian commanders on a secret visit to Quneitra opposite Israel’s Golan border on Jan. 18, 2015, killing two Iranian generals, Mohammad Ali Allah Dadi and Abu Ali al-Tabtabani. And in the following year, on July 26, an Israeli rocket attack aimed at and missed another secret visitor to Quneitra, Iranian Gen. Mohammad-Reza Naghdi.
A impressão que se tem, lendo todos os outros sites mais especializados, é a de que esta é uma guerra Iran-Israel prevista, inevitável, ela já começou, e começou bem tarde...
Nesse caso o ataque do trumpeta [com França & Inglaterra, após ataque químico forjado] veio como consequência desta guerra "apocalíptica" [isto é, revelatória] básica: eles estão todos se arrumando para o fato, e a China e Europa também, etc

E a Rússia ainda deu de "joão-sem-braço" mais uma vez... para dar a impressão de que a guerra é "só" Iran-Israel, não "deles" russos, etc...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A grande farsa de um estado policial contra uma população indefesa

Segue aqui importante artigo publicado no The Intercept sobre a farsa montada para criar manchete na imprensa corporativa, em mais um desmando do estado policial contra a população das periferias da cidade do Rio de Janeiro. Os cento e trinta e nove A polícia chegou na festa na madrugada de 7 de abril. Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, de onde as milícias partiram, em meados dos anos 1990, pra dominar a cidade. Abuso policial instaura o medo nas periferias do Rio. Mataram quatro pessoas ainda do lado de fora. Ao entrar, mandaram todas as mulheres embora, ordenaram que os homens deitassem no chão, de bruços e sem camisa. Poucas horas depois, imagens de ônibus cheios de jovens tranquilos e sem algemas já estavam nos jornais matinais de TV. Sem qualquer questionamento. À noite, foi destaque no Jornal Nacional: “Bandidos que fazem parte da principal milícia do Rio aproveitavam a noite em um sítio, em Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade.” 159 presos. 148 réus primários.

Arte de Brincantes

Pra cantar e dançar

Vacinando o mundo

COMO BOLSONARO ESTÁ ARRUINANDO OS PLANOS DE STEVE BANNON por Liana Cirne Lins (18/09/2019) Por caminhos tortuosos, Bolsonaro se transformou em garoto propaganda às avessas. Sim, Bolsonaro vai salvar o mundo. Mas naturalmente não pelo que ele tem de bom, se é que tem, mas pelo que tem de péssimo, bufão e ignominioso.  Bolsonaro é a caricatura, exagerada, patética e monstruosa, dos políticos caricatos da extrema-direita do mundo todo. Mas antes de tudo, Bolsonaro é um produto de Steve Bannon. Ele não é um fato isolado na geopolítica, mas uma peça num mosaico que vinha sendo cuidadosamente construído, através da metodologia que levou décadas para ser desenvolvida, tendo como laboratório eleições em países pobres, e que culminou com a aprovação do Brexit com a campanha "Leave.EU", a eleição de Trump, a campanha "Do So!" em Trinidad & Tobago e, enfim, a eleição de Bolsonaro.  Em síntese apertada, a metodologia consiste no armazenamento de dados pess