Pular para o conteúdo principal

Camarada bom de luta...


         … Mas sem perder a ternura, jamais!
Enivaldo Gonçalves sempre foi um sujeito de boa paz, até a hora em que sentia ameaçados os direitos da classe trabalhadora que tão bem representou e defendeu. Menino pobre numa cidade rica, aos onze anos foi emancipado para tirar a Carteira de Trabalho e ajudar sua mãe no sustento da casa e na criação de seus irmãos e irmã – trabalhava no Hotel Casablanca e morava na Rua Teresa. Nesse trajeto, todos os dias escutava os gritos e lamentos dos presos na Delegacia de Polícia que ficava na entrada da rua 24 de Maio – vivíamos então os “anos de chumbo” da ditadura civil-militar. E disso lembrava até seus últimos dias, como ficou registrado no depoimento que prestou para a Comissão Municipal da Memória, Verdade e Justiça de Petrópolis.
         Incansável lutador das causas sociais, Enivaldo iniciou sua vida pública liderando a greve dos servidores municipais em 1979, e que proporcionou a transformação da associação dos servidores em sindicato, o SISEP. Naquela greve enfrentou pela primeira vez a polícia política da ditadura, quando foi duramente interrogado e sofreu tortura psicológica em uma sala da Câmara Municipal. Conforme relatou, não fosse a presença do presidente da Câmara na época, o saudoso Calau Lopes, o episódio poderia ter tido um final trágico - “Queriam saber a qual célula comunista eu pertencia, mas eu nem sabia o que era isso!
         Dias depois, recebendo do advogado Gustavo Friaça as primeiras lições de teoria política, descobriu que “era comunista e não sabia! Começou assim sua carreira política, participando do Movimento Justiça e Paz, do MEP (Movimento pela Emancipação do Proletariado), da fundação do Partido dos Trabalhadores em Petrópolis, e no movimento sindical. Muitas vezes chamado de radical, Enivaldo sempre manteve a coerência e a firmeza de suas convicções, além da competência que o levou a assumir a Secretaria de Desenvolvimento Econômico na administração petista de Barra Mansa.
         Mas essa trajetória não teria sido possível sem a apoio e dedicação de sua companheira querida e mãe de seus filhos e filha, sempre a seu lado. Em meio às dificuldades que uma família da classe trabalhadora enfrenta a cada dia, ampliadas pela ferrenha militância política de Enivaldo, foram a costura e as “quentinhas” de Laura que, muitas vezes, garantiram o aluguel e a mesa da família.
         No entanto, essa carreira que se mostrava promissora e vitoriosa foi, aos poucos, interrompida pela doença que nunca o deixou e que o afastou da vida política e do convívio social. Consciente do mal que o acometia, Enivaldo fez um último esforço para vencê-lo e, dias antes de sofrer o acidente ao qual não resistiu, elaborou um novo projeto político para levar à Câmara Municipal, em 2018, uma representação da classe trabalhadora através do PSOL, partido do qual foi presidente e fundador em Petrópolis.
         Sua última participação em evento público aconteceu em fevereiro deste ano na entrega do relatório da Comissão Municipal da Verdade, na Casa dos Conselhos. Ao final do evento, sua intervenção focada na situação dos presos “comuns” (assim mesmo com aspas, como ele sinalizava com as mãos sempre que pronunciava a palavra) emocionou toda a plateia que, ao final, o aplaudiu de pé durante longos cinco minutos. Este ano Enivaldo Gonçalves será homenageado na Semana da Verdade, Memória e Justiça, em Petrópolis.
         Conheci o camarada em 1992 durante a campanha eleitoral municipal onde ele era um dos principais articuladores, representando o PT. No ano seguinte fui convidado a compor sua equipe no SISEP, o Sindicato dos Servidores Municipais do qual era presidente. Foi o início de uma grande amizade e parceria política de vinte e cinco anos de luta, sempre.
         Camarada Enivaldo, você vai fazer falta!

Petrópolis, março de 2017

Paulo P. de Carvalho/ Jornalista
Publicado na Tribuna de Petrópolis, 23/03/2017

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A grande farsa de um estado policial contra uma população indefesa

Segue aqui importante artigo publicado no The Intercept sobre a farsa montada para criar manchete na imprensa corporativa, em mais um desmando do estado policial contra a população das periferias da cidade do Rio de Janeiro. Os cento e trinta e nove A polícia chegou na festa na madrugada de 7 de abril. Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, de onde as milícias partiram, em meados dos anos 1990, pra dominar a cidade. Abuso policial instaura o medo nas periferias do Rio. Mataram quatro pessoas ainda do lado de fora. Ao entrar, mandaram todas as mulheres embora, ordenaram que os homens deitassem no chão, de bruços e sem camisa. Poucas horas depois, imagens de ônibus cheios de jovens tranquilos e sem algemas já estavam nos jornais matinais de TV. Sem qualquer questionamento. À noite, foi destaque no Jornal Nacional: “Bandidos que fazem parte da principal milícia do Rio aproveitavam a noite em um sítio, em Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade.” 159 presos. 148 réus primários.

Arte de Brincantes

Pra cantar e dançar

Vacinando o mundo

COMO BOLSONARO ESTÁ ARRUINANDO OS PLANOS DE STEVE BANNON por Liana Cirne Lins (18/09/2019) Por caminhos tortuosos, Bolsonaro se transformou em garoto propaganda às avessas. Sim, Bolsonaro vai salvar o mundo. Mas naturalmente não pelo que ele tem de bom, se é que tem, mas pelo que tem de péssimo, bufão e ignominioso.  Bolsonaro é a caricatura, exagerada, patética e monstruosa, dos políticos caricatos da extrema-direita do mundo todo. Mas antes de tudo, Bolsonaro é um produto de Steve Bannon. Ele não é um fato isolado na geopolítica, mas uma peça num mosaico que vinha sendo cuidadosamente construído, através da metodologia que levou décadas para ser desenvolvida, tendo como laboratório eleições em países pobres, e que culminou com a aprovação do Brexit com a campanha "Leave.EU", a eleição de Trump, a campanha "Do So!" em Trinidad & Tobago e, enfim, a eleição de Bolsonaro.  Em síntese apertada, a metodologia consiste no armazenamento de dados pess