Pular para o conteúdo principal

Ponte para o Passado na Educação


  • A crise está no ar, no planalto, na saúde... em todo lugar. E mesmo na Petrópolis "imperial", onde a Educação tão mal tratada só confirma o compromisso de tantas "autoridades" em atender aos interesses do capital. Tratando do assunto publicamos hoje artigo do professor da rede estadual de ensino em Petrópolis, André Rodrigues.

Ponte para o Passado na Educação

      A crise da Educação pública representa mais do que a eclosão das contradições de um modelo esgotado. Trata-se do sintoma de um projeto que, no seu limite, pretende enxugar o Estado reduzindo-o ao mínimo possível e privatizando serviços públicos como Saúde e Educação. Este projeto já está em curso e corresponde à necessidade do capital de criar as condições objetivas para sua livre reprodução, produzindo ataques frontais contra os direitos dos trabalhadores e retrocesso social e cultural.


      O caminho para o atraso obedece a dois momentos distintos: o sucateamento e desmonte do serviço público e sua posterior privatização, tendo como pano de fundo a mediação da maior ofensiva ideológica da direita desde a ditadura militar. E não estamos lidando com amadores. Prova de que não dão ponto sem nó é o famigerado PL 257, que em nome de regularizar a relação e as dívidas dos Estados e municípios, coloca condicionantes para acertar as contas que vão desde o congelamento dos salários e estancamento das carreiras e cortes brutais de gastos até programas de demissão voluntária que tornarão letra morta a estabilidade no emprego dos funcionários públicos em todos os níveis, em particular os profissionais da Educação. Tudo bem amarrado.
      Já o risco evidente de privatização e mercantilização do ensino público está claramente indicado no Plano Nacional de Educação, elaborado ainda durante o governo Dilma, quando indica que o fundo público pode ser direcionado para financiar tanto a educação pública como a privada.
      Por sua vez, o cerceamento do livre direito de opinião no ato educativo, tal como se expressa em diferentes leis da mordaça no âmbito dos municípios, como as chamadas iniciativas da Escola sem Partido ou o que denominam “ideologia de gênero” e encaminhamentos similares no Congresso Nacional, nos levam a refletir sobre a escola que queremos. Queremos uma escola para atender os interesses do capital ou um espaço democrático para a formação de cidadãos críticos e conscientes? Se você entendeu o que leu até aqui, provavelmente se insere na segunda categoria e se incomoda com a maneira como a Educação é tratada e com o que querem fazer com ela.
      Os segmentos dominantes que usurparam o poder executivo através de manobras jurídicas, parlamentares e midiáticas de caráter casuístico e oportunista, contornando o próprio marco legal e constitucional, sabem que esta agenda provocará resistência e reações e conta com aparatos de repressão dispostos a serem utilizados. Contra isso, temos a unidade da classe, ao lado dos estudantes e de todos os demais servidores em luta pela manutenção de direitos e dispostos a mostrar à população que não existem pontes nem atalhos para o futuro. Ele está em jogo aqui e agora!

André Rodrigues
Professor e militante da Unidade Classista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A grande farsa de um estado policial contra uma população indefesa

Segue aqui importante artigo publicado no The Intercept sobre a farsa montada para criar manchete na imprensa corporativa, em mais um desmando do estado policial contra a população das periferias da cidade do Rio de Janeiro. Os cento e trinta e nove A polícia chegou na festa na madrugada de 7 de abril. Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, de onde as milícias partiram, em meados dos anos 1990, pra dominar a cidade. Abuso policial instaura o medo nas periferias do Rio. Mataram quatro pessoas ainda do lado de fora. Ao entrar, mandaram todas as mulheres embora, ordenaram que os homens deitassem no chão, de bruços e sem camisa. Poucas horas depois, imagens de ônibus cheios de jovens tranquilos e sem algemas já estavam nos jornais matinais de TV. Sem qualquer questionamento. À noite, foi destaque no Jornal Nacional: “Bandidos que fazem parte da principal milícia do Rio aproveitavam a noite em um sítio, em Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade.” 159 presos. 148 réus primários.

Arte de Brincantes

Pra cantar e dançar

Vacinando o mundo

COMO BOLSONARO ESTÁ ARRUINANDO OS PLANOS DE STEVE BANNON por Liana Cirne Lins (18/09/2019) Por caminhos tortuosos, Bolsonaro se transformou em garoto propaganda às avessas. Sim, Bolsonaro vai salvar o mundo. Mas naturalmente não pelo que ele tem de bom, se é que tem, mas pelo que tem de péssimo, bufão e ignominioso.  Bolsonaro é a caricatura, exagerada, patética e monstruosa, dos políticos caricatos da extrema-direita do mundo todo. Mas antes de tudo, Bolsonaro é um produto de Steve Bannon. Ele não é um fato isolado na geopolítica, mas uma peça num mosaico que vinha sendo cuidadosamente construído, através da metodologia que levou décadas para ser desenvolvida, tendo como laboratório eleições em países pobres, e que culminou com a aprovação do Brexit com a campanha "Leave.EU", a eleição de Trump, a campanha "Do So!" em Trinidad & Tobago e, enfim, a eleição de Bolsonaro.  Em síntese apertada, a metodologia consiste no armazenamento de dados pess