Pular para o conteúdo principal

O Imaginário de Miriam


O Imaginário Mágico e Onírico de Miriam de Almeida


       Foi inaugurada na última quarta, dia 06 de julho, a exposição “Imaginarium”, de Miriam de Almeida, no Gypsy Bar Multicultural, Rua Washington Luiz, 1.066, Centro. Sob curadoria de Márcio Salerno, a mostra fica naquele espaço até o dia 03 de agosto de 2016.

       


       Dona de um traço leve e belo, Miriam tem no universo mágico e onírico sua principal fonte de inspiração, com bonitos quadros, que beiram a ilustração, destacando seres encontráveis entre os devas e os entes da natureza, fadas inclusive, sem falar nos animais domésticos por quem ela é apaixonada.
       Esta é a estreia individual de Miriam de Almeida na cidade, mas nem por isso é a primeira vez que ela aparece com seu trabalho. Em 2000 e, mais tarde, em 2015, Miriam participou de três exposições, a primeira com pinturas inspiradas no universo das histórias em quadrinhos, acompanhando o lançamento de um livro baseado no tema, de seu companheiro Márcio Salerno, mais duas recentemente, junto com Márcio, uma delas no próprio Gypsy Bar, entre janeiro e março de 2015, outra também com ele, no Centro de Cultura Raul de Leoni, entre junho e julho de 2015.
Miriam Almeida

       “Imaginarium” é a terceira exposição sob curadoria de Márcio Salerno no Gypsy, um espaço que pretende se manter como área de exposição de artistas da cidade que não tenham oportunidade de mostrar sua arte em outros locais. A parceria entre o casal de artistas não vai parar por aí. Conforme informou Márcio, eles já trabalham em seu fanzine, Onyrium, que deve chegar ao público em breve com um novo número.
Nelson Kuster
Petrópolis, julho 2016
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A grande farsa de um estado policial contra uma população indefesa

Segue aqui importante artigo publicado no The Intercept sobre a farsa montada para criar manchete na imprensa corporativa, em mais um desmando do estado policial contra a população das periferias da cidade do Rio de Janeiro. Os cento e trinta e nove A polícia chegou na festa na madrugada de 7 de abril. Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, de onde as milícias partiram, em meados dos anos 1990, pra dominar a cidade. Abuso policial instaura o medo nas periferias do Rio. Mataram quatro pessoas ainda do lado de fora. Ao entrar, mandaram todas as mulheres embora, ordenaram que os homens deitassem no chão, de bruços e sem camisa. Poucas horas depois, imagens de ônibus cheios de jovens tranquilos e sem algemas já estavam nos jornais matinais de TV. Sem qualquer questionamento. À noite, foi destaque no Jornal Nacional: “Bandidos que fazem parte da principal milícia do Rio aproveitavam a noite em um sítio, em Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade.” 159 presos. 148 réus primários.

Arte de Brincantes

Pra cantar e dançar

Vacinando o mundo

COMO BOLSONARO ESTÁ ARRUINANDO OS PLANOS DE STEVE BANNON por Liana Cirne Lins (18/09/2019) Por caminhos tortuosos, Bolsonaro se transformou em garoto propaganda às avessas. Sim, Bolsonaro vai salvar o mundo. Mas naturalmente não pelo que ele tem de bom, se é que tem, mas pelo que tem de péssimo, bufão e ignominioso.  Bolsonaro é a caricatura, exagerada, patética e monstruosa, dos políticos caricatos da extrema-direita do mundo todo. Mas antes de tudo, Bolsonaro é um produto de Steve Bannon. Ele não é um fato isolado na geopolítica, mas uma peça num mosaico que vinha sendo cuidadosamente construído, através da metodologia que levou décadas para ser desenvolvida, tendo como laboratório eleições em países pobres, e que culminou com a aprovação do Brexit com a campanha "Leave.EU", a eleição de Trump, a campanha "Do So!" em Trinidad & Tobago e, enfim, a eleição de Bolsonaro.  Em síntese apertada, a metodologia consiste no armazenamento de dados pess