Pular para o conteúdo principal

Uma festa para o Maestro

           Este sábado, 18 de março, é dia de festejar o aniversário do filho caçula de Francisco Antonio e Anna Adelaide, dia de comemorar os 103 anos do grande maestro petropolitano César Guerra-Peixe. Naquele março de 1914, enquanto a Europa se tornava palco do primeiro grande conflito mundial, em Petrópolis entrava em cena aquele que se tornaria um dos maiores brasileiros do século XX, como bem definiu um de seus alunos e admiradores.
Tomando o bonde na Petrópolis da década de 1920
            Nascidos na Beira, região noroeste de Portugal, os Guerra-Peixe chegaram a Petrópolis ainda na década de 1890. O pai era ferrador de cavalos e “curativo de animais”, e montou uma oficina na rua da feira. Músico amador, tocava violão, bandolim, guitarra portuguesa, sanfona de oito baixos e cítara. A mãe, enquanto cuidava dos afazeres domésticos e dos dez filhos e filhas, ouvia música clássica o dia inteiro – o menino adorava e guardou essa memória por toda a vida.
            Incentivado pelo pai, já aos seis anos o menino César experimentava o dedilhado no violão; aos sete aprendia sozinho a tocar o bandolim e, aos oito, o violino. Já nessa época acompanhava o pai tomando parte nos “choros” populares que se apresentavam no carnaval de sua cidade natal e, também, em conjuntos típicos em localidades do Estado do Rio e Minas Gerais.
            Em 1923, aos nove anos, César Guerra-Peixe iniciou seus estudos de piano na Escola de Música Santa Cecília, sempre com o incentivo dos pais e amigos da família. Nesse mesmo ano falecia o fundador da Escola, o maestro pernambucano Paulo Carneiro, que havia chegado em Petrópolis na mesma época em que vieram os Guerra-Peixe. Com uma trajetória brilhante, que o levou do interior de Pernambuco à Corte no Rio de Janeiro, o maestro foi um dos grandes incentivadores da música na cidade que adotou, promovendo o ensino musical tanto para os filhos e filhas da nobreza, como para as famílias da classe trabalhadora que não tinham condição de pagar pelo estudo de suas crianças.
            Esse era o caso do menino César, aluno assíduo e aplicado que, depois de receber diversos prêmios por seu aproveitamento no estudo da música, iniciou sua vida profissional aos 15 anos tornando-se professor de violino na escola fundada por Paulo Carneiro. Nesse mesmo período Guerra-Peixe também trabalhou como violinista nas sessões de cinema mudo do Cine Glória, no centro de Petrópolis, em casamentos e batizados, e teve breve experiência como aprendiz nas oficinas de móveis da Casa Gelli.
            Assim começou a história do maior músico e compositor petropolitano, pesquisador e arranjador de renome internacional, um dos grandes brasileiros de todos os tempos. Hoje, aquele menino travesso apaixonado pela música empresta seu nome ao evento que homenageia, a cada ano, os destaques da cena cultural em nossa cidade – o Prêmio Maestro Guerra-Peixe de Cultura.
            Viva a Cultura! Viva a Música! Viva Guerra-Peixe!

Petrópolis, março de 2017
Paulo P. de Carvalho / Jornalista
(Publicado na Tribuna de Petrópolis - 15/03/2017

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A grande farsa de um estado policial contra uma população indefesa

Segue aqui importante artigo publicado no The Intercept sobre a farsa montada para criar manchete na imprensa corporativa, em mais um desmando do estado policial contra a população das periferias da cidade do Rio de Janeiro. Os cento e trinta e nove A polícia chegou na festa na madrugada de 7 de abril. Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, de onde as milícias partiram, em meados dos anos 1990, pra dominar a cidade. Abuso policial instaura o medo nas periferias do Rio. Mataram quatro pessoas ainda do lado de fora. Ao entrar, mandaram todas as mulheres embora, ordenaram que os homens deitassem no chão, de bruços e sem camisa. Poucas horas depois, imagens de ônibus cheios de jovens tranquilos e sem algemas já estavam nos jornais matinais de TV. Sem qualquer questionamento. À noite, foi destaque no Jornal Nacional: “Bandidos que fazem parte da principal milícia do Rio aproveitavam a noite em um sítio, em Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade.” 159 presos. 148 réus primários.

Arte de Brincantes

Pra cantar e dançar

Vacinando o mundo

COMO BOLSONARO ESTÁ ARRUINANDO OS PLANOS DE STEVE BANNON por Liana Cirne Lins (18/09/2019) Por caminhos tortuosos, Bolsonaro se transformou em garoto propaganda às avessas. Sim, Bolsonaro vai salvar o mundo. Mas naturalmente não pelo que ele tem de bom, se é que tem, mas pelo que tem de péssimo, bufão e ignominioso.  Bolsonaro é a caricatura, exagerada, patética e monstruosa, dos políticos caricatos da extrema-direita do mundo todo. Mas antes de tudo, Bolsonaro é um produto de Steve Bannon. Ele não é um fato isolado na geopolítica, mas uma peça num mosaico que vinha sendo cuidadosamente construído, através da metodologia que levou décadas para ser desenvolvida, tendo como laboratório eleições em países pobres, e que culminou com a aprovação do Brexit com a campanha "Leave.EU", a eleição de Trump, a campanha "Do So!" em Trinidad & Tobago e, enfim, a eleição de Bolsonaro.  Em síntese apertada, a metodologia consiste no armazenamento de dados pess